Sorry, this entry is only available in European Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Quando a Alexandra me pediu para partilhar esta minha aventura, o Título não podia ser outro, pois seria algo que há alguns anos teria considerado como impossível, classificá-la-ia assim em quase todos os sentidos, mas acima de tudo pelo desafio de superação e esforço que representaria. Mas isso teria sido há alguns anos, não o foi Agora.

Sempre adorei o Trekking e as Montanhas, tendo nos últimos anos feito os Picos da Europa (2015) e a Ascensão do Toubkal (2017). Em todas estas aventuras a minha única preparação sempre foi exclusivamente o nosso Yoga, tendo também sido de assinalar, o desafio da Alexandra para começar as Práticas nas aulas de Intermédios em finais de 2015. Procurava principalmente nesta ocasião, conseguir cumprir com as 2 Práticas semanais, e agora mais recentemente reforçando/compensando em alguns períodos estas práticas para 3x/ semana. Tal aconteceu nos meses que antecederam o Kilimanjaro.

A ascensão do Kilimanjaro representou para mim 3 desafios muito repartidos no tempo e no espaço:

  1. Os primeiros dias até à noite da Ascensão
  2. A noite da Ascensão
  3. A descida

1) Os primeiros dias até à noite da Ascensão

Os primeiros 4/5 dias de caminhada inicial não representaram esforço físico extraordinário, dado que os trajectos eram percorridos principalmente de manhã, e portanto de fácil recuperação. O facto de transportarmos apenas o necessário para aquele período (~4/~5kg) também contribuiu. Neste aspecto, os 10/11 kg que transportávamos às costas nos Picos da Europa (durante uma semana e quase 60km) eram diariamente extenuantes.

Recordo bem a reacção da Alexandra e da Paula, quando no regresso, viram os meus pés… e unhas.

Neste período, e também em virtude de estarmos sempre a subir numa paisagem árida, mas muito intensa, e a uma altitude naturalmente crescente, toda a consciência de uma respiração profunda foi fundamental, em particular acima dos 3.000m.

Um workshop de um Fim de semana em 2016 (também como preparação do Toubkal e depois em 2017) foram fundamentais. Os meus pulmões literalmente nunca mais foram os mesmos.

O controlo mental durante estes primeiros dias e noites, sentindo a proximidade do dia da ascensão Final era também crescente. Quando no dia anterior à ascensão tivemos consciência, pelo Guia, das taxas médias de sucesso de atingimento (~75%), e das fatalidades (~15 por ano) tivemos um choque com a realidade. Um choque com a possibilidade de falhar. A Forma física em altitude tem efectivamente muitas variáveis.

Felizmente acabei por, nesta primeira fase, não ter experimentado qualquer incómodo e estava portanto bastante confiante, acima de tudo pela consciência de achar que tinha feito tudo. Aqui reconheço o papel motivador e exigente da Alexandra, tanto naquelas aulas em que me sentia totalmente confiante e tudo acontecia quase sem esforço, como naquelas em que me sentia um iniciado com a pulsação a 140.

2) A noite da Ascensão

Nesse dia deitámo-nos nas nossas tendas de 2, cerca das 18h para acordarmos ~22h, comermos algo rápido, e começarmos a ascensão cerca das 23h, tendo como objectivo chegarmos ao Pico ás 8-8:30 com o nascer do Sol.

A esta altitude, a neve já era uma presença constante, pelo que o uso de Crampons (peça metálica de tração para a neve, com picos) foi fundamental.

O Ritmo era obrigatoriamente lento, a altitude, a inclinação, a neve. “Poli Poli” (expressão Suaíli para “Devagar”) era recorrentemente recordada pelos Guias (eram 3 Guias, como éramos 5, garantiam assim a máxima segurança, e a eventualidade de algum de nós ter de descer…).

Todo o caminho efectuado em fila indiana, com paragens de breves minutos pelo frio intenso, água a congelar nos cantis, quase sem trocarmos palavra.

As primeiras horas foram para mim, sem dúvida, as mais importantes, pois acabaram por marcar toda a ascensão. Isto em virtude de uma decisão que tomei, também directamente relacionada com o nosso Yoga, e na ajuda que me deu na recuperação das minhas Costas/Cervical.

Nesta ocasião tomei consciência da importância da Postura durante estas 9h, procurando assumir uma postura o mais vertical possível, pelo que pedi ao Guia para não usar logo bastões. Ele anuiu e acabou por me deixar percorrer uma boa parte do trajeto mais exigente, completamente direito, com as mãos atrás das costas e as omoplatas em tração, ajudadas também pela mochila com uns 4 kg.

Quando se recordou de me avisar para usar os Bastões, já tinham passado bem mais de 4h da ascensão, efectuadas quase sem sentir esforço especial, e a conseguir, volta e meia, olhar as estrelas, e ouvir… Ludovico Einaudi nos Phones. Estava de alguma forma também hipnotizado.

As últimas horas, com o dia já a começar a clarear foram mágicas, e claramente com a adrenalina já a bombar por saber que ia conseguir.

A chegada ao Pico foi uma explosão de sensações e sentimentos, potenciados pelo facto de não ter sentido qualquer desconforto, pelo esforço ou altitude.

Fixar lá o Logo do CPYOGA foi, portanto, um misto de agradecimento pelo que as práticas assíduas me têm permitido, mas acima de tudo de continuidade. O melhor ainda está para vir 😉

3) A descida

O percurso de regresso foi também marcante e emocionante, já com pleno Céu azul. Tivemos nestas primeiras 2-3 horas uma verdadeira noção da paisagem incrível que nos rodeava… Cratera e Glaciar a 5000m de altitude…. desfiladeiros a perder de vista …mas também do potencial risco fatal de uma eventual queda. Aqui os Bastões juntamente com os Crampons, foram fundamentais.

Neste período, estava também claramente ainda a usufruir da forma como havia decorrido a ascensão, em que de alguma forma me havia poupado. Foi um dia bem longo com um total de 14/15h de caminhada (9h subida e 6h de descida). Primeiro subindo dos 4730m até aos 5985 m, para descer depois até aos 3705m.

O último dia correspondeu a 5/6h ,cerca de 20km sempre a descer… dos 3705m aos 1860m.

Foi uma aventura incrível com cerca de 80km percorridos e que terminou com uns dias em Zanzibar.
Uma aventura marcante por todos os Processos envolvidos. Incluindo as nossas práticas. A preparação, a antecipação e o incrível Grupo de amigos que me acompanhou.

Beijos e Abraços
João

September 24, 2018 Stories


Facebook Comments Master

Share This

Share this post with your friends!